Margarita María López de Maturana

Margarita María López de Maturana (1884-1934)

Religiosa, Fundadora dos Missionárias Mercedárias de Berriz

A vida de Madre Margarita foi uma resposta devota e generosa ao chamado de Deus. Desde a infância, ela cultivou um amor profundo por Deus, que se desenvolveu durante toda a sua vida. Ela é relatada como dizendo uma vez: “Há momentos muito importantes na vida em que Deus nos mostra o caminho a seguir e depois deixa para nosso livre arbítrio responder”. Sua escolha constante sempre foi um generoso “sim” ao Deus do amor.

Pilar, como foi nomeada no Batismo, nasceu com sua irmã gêmea Leonor, em Bilbao, na Espanha, em 25 de julho de 1884. Os gêmeos eram os mais jovens de cinco filhos nascidos de Juana Ortiz de Zarate e Vicente López de Maturana.

Segundo as primeiras contas, os gêmeos eram inseparáveis. Eles cresceram compartilhando tudo, incluindo o amor deles por Deus. Ambos, de fato, decidiram entrar no convento. Mas foi o desejo de Leonor de fazer o sacrifício de desapego de sua irmã que a levou a escolher entrar em uma Ordem diferente de seu amado gêmeo, as Carmelitas da Caridade.

Abrindo para uma vocação

Em 1901, a mãe viúva de Pilar a matriculou no internato da Ordem de Nossa Senhora da Misericórdia (Mercedários) em um esforço para distanciá-la de um pretendente e resultante relacionamento que Doña Juana achou prematuro para os 16 anos de idade de Pilar. Seu difícil ajuste inicial na escola foi suavizado pela simplicidade e maneira de educar os religiosos, o que a fez se sentir em casa e confortável em seu novo ambiente. Pouco tempo depois, ela desejou entrar na Ordem, e depois de seu 19º aniversário, a idade estabelecida pela mãe, entrou no noviciado no mosteiro claustro mercedário de Vera Cruz, em Berriz, em 10 de agosto de 1903, tomando o nome de Margarita María. Em 1906, ela começou a trabalhar no internato da Ordem, onde também estudou. Ela permaneceu lá por mais de 20 anos, distinguindo-se por fervorosa oração e caridade. A Ordem de Nossa Senhora da Misericórdia foi fundada por São Pedro Nolasco em 1218, a fim de resgatar cativos cristãos. Aos tradicionais votos de pobreza, castidade e obediência, São Pedro acrescentou um quarto voto, para agir como reféns, se necessário, para libertar dos mouros os cativos cristãos cuja fé estava em perigo. Com o passar dos séculos, a necessidade de se oferecer em resgate diminuiu, mas esse espírito missionário permaneceu nos corações daqueles que viveram o carisma.

Novos frutos do carisma

Em consonância com o carisma mercedário, a Ir. Margarita María sentiu um forte desejo de praticar o quarto voto. Ela aplicou essa vocação do resgate dos cativos na tarefa de converter o mundo pagão. Depois de 17 anos de vida religiosa fiel, o Espírito Mercedário inspirou Ir. Margarita, em 1920, a formar uma associação de Jovens Missionários Mercedários, encorajando-os a serem co-missionários através da oração e de várias atividades. O espírito missionário permeou não apenas os jovens que moram com eles, mas também todo o mosteiro. Em setembro de 1924, o pedido foi feito ao Superior Geral da Ordem da Misericórdia para pedir a Roma que redefinisse seu status religioso de uma ordem contemplativa para uma ativa ordem missionária. Em 23 de janeiro de 1926 foi concedida permissão ad experimentum para levar a vida missionária. Em 19 de setembro de 1926, o primeiro grupo de seis irmãs missionárias partiu para Wuhu, na China, onde chegaram em segurança em 5 de novembro do mesmo ano. A segunda expedição missionária que deixou Berriz em 30 de outubro de 1927 foi para Saipan, nas Ilhas Marianas do Pacífico Sul, chegando quatro meses depois, em 4 de março de 1928. Uma terceira expedição missionária que partiu para a Ilha de Ponape, no Japão, em 1928, foi conduzida por Madre Margarita María, que acabara de ser nomeada Superior um ano antes, em 16 de abril de 1927. Em 1930, a aprovação final e a bênção vieram de Roma para a transformação oficial do Mosteiro Mercedário de Berriz em um Instituto Missionário. Em 30 de julho de 1931, durante o Primeiro Capítulo Geral dos Missionários Mercedários de Berriz, Madre Margarita Maria foi eleita como primeira Superiora Geral. Antes de sua morte na Espanha devido ao câncer em 23 de julho de 1934, ela havia viajado pelo mundo duas vezes no trabalho missionário. O zelo missionário de madre Margarita surgiu de sua intensa união com Cristo, que se ofereceu em resgate por todos. Seu desejo de viver o quarto voto e salvar almas inspirou seu espírito missionário. Sua escrita define o estímulo para o espírito missionário como “desejo de amar a Jesus Cristo de maneira nova e total; amá-lo sobretudo naqueles que não o amam”. A causa da beatificação de Margarita María foi aberta em 30 de julho de 1943. Seus escritos foram aprovados em 4 de março de 1954. Em 16 de março de 1987, suas heróicas virtudes foram proclamadas, seguidas pelo reconhecimento em 28 de abril de 2006 de um milagre atribuído a ela.