Gerais, Notícias › 10/04/2018

Campanha Redentora 2018/2019

O ideal mercedário é “seguir Cristo levando a boa-nova do Evangelho aos pobres e a libertação aos cativos” (Lc 4,18), uma tarefa que tem acontecido há quase oito séculos, sabendo que a profissão religiosa é um dom e uma grande responsabilidade, porque a vocação a que somos chamados é transportada como em vaso de barro. Portanto, nesta jornada missionária e na obra confiada por Deus e nossa Mãe das Mercês a São Pedro Nolasco, nosso Pai fundador, nunca se pode confiar nas próprias forças, mas sempre deve se recomendar à misericórdia divina. A Campanha Redentora se origina com a própria história da Ordem das Mercês, cujo fundador (São Pedro Nolasco, no século XIII) se juntou a um grupo de amigos para coletar doações para a libertação de pessoas escravizadas pelos muçulmanos. (http://www.ordenmerced.org).
A última Campanha da Redenção correspondia à província do México, que através do projeto “TLAMAQUI”, casas de liberdade, executou a construção de três abrigos (Casa Mater na Cidade do México, Cancun em Quintana Roo e El Hongo em Baixa-Califórnia), para as pessoas que deixam os centros penitenciários e que não têm o apoio de uma família ou de um trabalho, possam curar as feridascAMPANHA rEDENTOIRA3 da vida e obter as ferramentas que o preparam para retornar à sociedade como Seres livres e plenos.

Neste ano, a campanha redentora da Ordem é realizada pela Província Mercedária de Quito, que tem como prioridade carismática o trabalho pastoral com Pessoas Privadas de Liberdade (PPL).
Há alguns anos, a província vem acompanhando o trabalho redentor do Centro de Reabilitação Social Zona Centro – Sierra (CRS) na cidade de Latacunga. Este CRS acolhe aproximadamente 5900 Pessoas Privadas de Liberdade (PPL), entre homens e mulheres, nativos e estrangeiros. Tendo em vista a população itinerante, as visitas devem se deslocar de áreas distantes para estar com seus familiares.
De modo geral, por se tratar de famílias de baixa renda acontece que, muitas vezes, crianças, adolescentes, adultos e pessoas com algum tipo de deficiência tenham que passar a noite em outro lugar que o CRS devido à falta de recursos, gerando um problema social para a cidade e problemas de saúde, porque muitas dessas famílias dormem nas ruas.

Apresentação da Campanha

Por que “Ñuka Wasi Merced, Wasi Surkunapak”? O Quichua equatoriano é atualmente usado na Sierra e Oriente do Equador por muitas comunidades do setor, territórios que correspondem à área de abrangência do projeto. Ñuka Wasi Merced, significa Minha Casa das Mercês. Pretende-se que as pessoas a quem o projeto seja dirigido e todo o setor circundante vejam a casa como deles, portanto, dela e nela é projetada a misericórdia, a acolhida e o constante apoio do setor.
Wasi Surkunapak, significa “Casa da Liberdade”; Para que o Mercedário unir-se aos pobres, aos encarcerados e aos desprezados é a convicção de que, portanto, não só a missão de redimir o cativo é cumprida, mas também todos os Mercedários encontram a verdadeira liberdade do Espírito, porque em cada um dos pobres e necessitados deste mundo, nosso Redentor é reconhecido como presente.
O que também se pretende, além de dar uma resposta carismática por parte da Província e da Ordem, é que ela esteja ligada à realidade do setor e aos diferentes grupos étnicos e interculturais.

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.