Juan Nepomuceno Zegrí y Moreno

Juan Nepomuceno Zegrí y Moreno (1831-1905)

Juan Nepomuceno Zegrí y Moreno, fundador da Congregação religiosa das Irmãs Mercedárias da Caridade, Nasceu em Granada, Espanha, em 11 de outubro de 1831, numa família muito católica. Seus pais, Antônio Zegrí Martin e Josefa Moreno Escudero, deram-lhe uma excelente educação nos valores humano/evangélicos, que lhe proporcionou sua rica personalidade e a capacidade de relações cativante com todos.

Deus Pai, que chama aqueles que deseja fazer suas grandes obras, chamou-o a participar do sacerdócio de Jesus Cristo para servir ao ser humano o Evangelho da caridade redentora. Ele estudou no Seminário de San Dionísio em Granada, e foi ordenado sacerdote na catedral de Granada em 2 de junho de 1855. Ser um sacerdote de Jesus Cristo foi sua grande vocação, de tal maneira que ele estava disposto a fazer os maiores sacrifícios. para realizar esse sonho, nutrido desde a juventude.

Como sacerdote, esteve nas paróquias de Huétor Santillán e de San Gabriel de Loja (Granada). Em ambas as paróquias ele desenvolveu sua vocação como pastor, seguindo o exemplo do Bom Pastor, que dá a vida por suas ovelhas. Quando ele tomou posse de uma dessas paróquias, ele disse o que queria ser para os outros da vocação que recebera: como um bom pastor, corra atrás da ovelha perdida; como médico, curar corações doentes por causa da culpa e derramar esperança em todos; como pai, para ser a providência visível para todos aqueles que, gemendo no orfanato, bebem o cálice da amargura e se alimentam com o pão da tribulação. Sua vida sacerdotal foi presidida por uma profunda experiência de Deus; um profundo amor por Jesus Cristo Redentor, com quem foi configurado, aprendendo a obediência do sofrimento; um grande amor por Maria, sua mãe inigualável e protetora; uma intensa vida de oração, fonte de caridade; uma grande paixão pelo Reino nos seus pobres e um intenso amor pela Igreja, comunhão viva com ela, apesar das trevas da fé e dos sofrimentos que vinham da própria Igreja.

Ele era um evangelizador incansável. Ele gostava de rezar, refletir e escrever seus sermões. Ele não disse o que não orou e proclamou o que estava no centro de seu coração, inflamado pelo amor de Deus. Ele anunciou o que ele acreditava. Sua palavra convidou a todos a viver a vida cristã com radicalismo e os laços sagrados da religião cristã. Toda a sua vida foi Eucaristia, pão partido para ser comido; celebração do amor de Deus na entrega de sua própria existência. E foi, também, reconciliação. Ele celebrou o sacramento do perdão, fazendo-se perdoar, misericordioso e compassivo a todos, especialmente aos seus inimigos e àqueles que o difamavam.

Ele ocupou posições importantes, mas viveu a maravilhosa humildade de Deus, revelada no hino da carta aos filipenses 2,5. Ele era um examinador sinodal nas dioceses de Granada, Jaén e Orihuela; juiz e secretário sinodal em oposições às paróquias da diocese de Málaga; Canon da Catedral de Málaga e visita de religiosos. Ele também treinou seminaristas, pregador de Sua Majestade a Rainha, Elizabeth II e capelão real.

Impactado pelos problemas sociais e pelas necessidades dos mais desfavorecidos, sentiu-se chamado a fundar uma Congregação religiosa para libertar os seres humanos de sua escravidão. A tampa sob a proteção e inspiração de Maria da Misericórdia, humilde peregrino da gratuidade de Deus em Málaga em 16 de março de 1878. O objetivo: para a prática de todas as obras espirituais e corporais de misericórdia na pessoa dos pobres , perguntando aos religiosos que tudo o que eles fizeram foi para o bem da humanidade, em Deus, para Deus e para Deus. A Congregação, em poucos anos, se estende por muitas dioceses espanholas sob a exigência do dinamismo da inspiração carismática curar todas as feridas, curar todos os males, aliviar toda a tristeza, banir todas as necessidades, enxugará todas as lágrimas, não sair, se possível, em todo o mundo, sendo um só abandonado, aflito, desamparado, sem educação religiosa e sem recursos. Pai Zegrí, inflamado no amor de Deus, chegou a dizer que o amor é a única resposta para todos os problemas sociais e isso não vai acabar enquanto há apenas dor para curar, uma desgraça para o console, uma esperança para lançar em corações ulcerados; enquanto houver regiões distantes para evangelizar, suores para derramar e sangue para derramar as almas e gerar a verdade na terra.

Testado como o ouro no crisol, e enterrado no sulco da terra, como o grão de trigo, como foi caluniado e longe do trabalho que ele fundou, primeira pela Igreja, e, em seguida, pelo mesmo religiosa, morre 17 Março de 1905 na cidade de Málaga, sozinho e abandonado, como ele decidiu morrer; Seguindo o exemplo do Crucificado, fixamos nossos olhos no autor e consumador da nossa fé. Morre como filho fiel da Igreja e sob o signo da obediência da fé, como grandes testemunhas e grandes crentes.

– caridade redentora, para beneficiar a humanidade e servir o Evangelho do amor e da ternura de Deus para com os pobres, para a caridade, que é Deus, ele manifestou enxugando as lágrimas, Acidente socorro, fazendo o bem a todos e deixando suas torrentes passageiras de luz

– amor e configuração com Jesus Cristo Redentor, no seu mistério pascal, como a característica do amor místico que mais se identifica com o coração de Jesus Cristo homem, separado de qualquer recompensa, é o ideal sublime da caridade

– .. Amor Maria da Misericórdia, como Nuestra Señora de las Mercedes é tudo e para todos, uma vez que não é maior do que a misericórdia e compaixão de doce título Mary, mais suave nomenclatura invocação

Ele viveu e endossou todas as virtudes cristãs heroicamente, especialmente fé, esperança e caridade, e todas essas virtudes humanas que dão elegância a caridade e fazem relações íntimas: a humildade, bondade, mansidão, ternura, misericórdia, bondade, mansidão, paciência, generosidade, gratuidade e benevolência. Ele também foi distinguido por sua prudência, por sua força no sofrimento, por sua transparência na busca pela verdade e pelo senso de justiça que todos os seus atos e decisões tinham. A Igreja reconheceu suas heróicas virtudes proclamando-o Venerável em 21 de dezembro de 2001.

Deus Pai, por sua intercessão, realizou um milagre, na pessoa de Juan de la Cruz Arce, na cidade de Mendoza, Argentina, a Igreja considerou segunda série, restaurando o pâncreas, que tinha sido completamente removido-lo em um intervenção cirúrgica.

Sua vida é um desafio para todos os que seguem a sua espiritualidade, não tanto pelo que fez, mas porque ele sabia como amar a Deus, servir o Evangelho da caridade para os necessitados. Ele nos revelou que ternura e da misericórdia de Deus se tornar realidade nos corações dos seres humanos pelo mistério da redenção do Filho e abrindo caminho com ele. Fr. Zegrí abriu caminho discipulado dando-se totalmente e exclusivamente para Jesus Cristo crucificado , como podemos ler em seu testamento espiritual, vivendo suas mesmas atitudes e sentimentos, oferecendo-se totalmente a ele pelo bem da humanidade; perdoar aqueles que o difamaram, não levando em conta o mal e criando laços de comunhão, de encontro e de relacionamento; construir nova humanidade em prol da caridade e da amada Maria, a nova mulher que sustentou sua existência na fé e sua fé ancorada no mistério de Deus.

Sua beatificação nos introduz à misericórdia de Deus, naquele espaço de gratuidade em que o Senhor é permanente, livre graça e redenção de tudo o que oprime os homens e mulheres de hoje. Confiamo-nos a este testemunho da caridade de Deus para que o Espírito Santo transforme a nossa vida no fogo do amor, para que no nosso caminho de discipulado e suportemos as dores da humanidade nos assemelhemos a uma estrela que ilumina sem queimar, uma rajada que purifica sem destruir, um riacho que fecunda sem inundar.

A Igreja reconheceu suas virtudes heróicas proclamando-o Venerável no dia 21 de dezembro de 2001. Viveu de modo heróico todas as virtudes cristãs, sobre tudo à fé, a esperança, a caridade. E as virtudes humanas: humildade, afabilidade, misericórdia, ternura, bondade, paciência, generosidade, gratuidade e benevolência.João Nepomuceno Zegrí e Moreno, homem que soube amar a maneira de Deus, continua deixando, através das Irmãs Mercedárias, sementes de amor redentor e de libertação pelos caminhos do mundo.

Realizou um grande milagre, em João da Cruz Arce, de Mendoza, Argentina, restituindo-lhe o pâncreas que lhe haviam extirpado totalmente numa intervenção cirúrgica.

Dia 9 de novembro de 2003, Pe. Zegrí foi proclamado beato em Roma. A Igreja reconheceu oficialmente sua santidade de vida.

Pe. Zegrí é um verdadeiro testemunho de que caridade é a solução para todos os problemas sociais. Dizia: Como se alegrará vosso coração, quando ao terminar o dia possais dizer: hoje curei esta chaga, dulcifiquei esta desgraça, enxuguei as lágrimas de alguém que sofre! Porque a caridade que é Deus, nunca passará.Sua vida é um desafio para todos nós que seguimos sua espiritualidade, porque soube amar ao estilo de Jesus. Servindo aos pobres o Evangelho da Caridade, da gratuidade e da misericórdia de Deus, nos revelou que Ele liberta e redime tudo o que oprime os seres humanos. A Ele confiamos a Igreja de hoje.

FOTOS